domingo, 24 de setembro de 2017

Botafogo faz pazes com a rede, vira sobre o Coritiba e toma lugar do Flamengo no G-6


Melhor time do returno do Brasileiro, Alvinegro volta a balançar a rede após passar em branco nos jogos com Grêmio na Libertadores, faz 3 a 2 no Couto Pereira e usa de novo remédio contra ressaca






Os gols de Coritiba 2 x 3 Botafogo pela 25ª rodada do Brasileirão


Libertadores? Ela ainda é assunto no Botafogo, mas não a que passou, e sim a edição de 2018. O Alvinegro espantou a ressaca da eliminação para o Grêmio com uma vitória maiúscula por 3 a 2 sobre o Coritiba no Couto Pereira. Roger, Guilherme e João Paulo marcaram (veja no vídeo acima).


O time de Jair Ventura segue como o melhor do segundo turno do Campeonato Brasileiro e entrou no G-6 com 40 pontos, pegando a vaga que estava com o Flamengo na zona de classificação para o torneio continental. Distância para o G-4, meta do clube agora, segue de três pontos.



Roger chegou a 17 gols no ano e está a 5 de sua melhor marca (Foto: Giuliano Gomes/Agência PR Press)


NOVA REAÇÃO-RELÂMPAGO
A eliminação da Libertadores ainda dói, mas o Botafogo versão 2017 deu mais uma prova de sua maturidade na temporada. Mais uma vez, o time teve uma reação-relâmpago após um trauma. Depois de vencer Sport e Bahia logo após as eliminações no Carioca e na Copa do Brasil, desta vez o remédio para a ressaca do torneio internacional foi um triunfo fora de casa sobre o Coritiba.


PAZES COM A REDE
Depois de passar os dois jogos das quartas de final contra o Grêmio sem marcar, o Botafogo fez as pazes com a rede neste domingo. E foi em dose tripla: Roger, Guilherme e João Paulo. Por sinal, o camisa 9, maior artilheiro dos clássicos no Brasil, voltou a deixar a sua marca sem ser contra os rivais cariocas e chegou a 17 gols na temporada. Sendo 10 no Brasileiro, onde retornou à briga pelo posto de goleador, atualmente com Henrique Dourado, do Fluminense, com 14.



NOVA FORMAÇÃO
Jair Ventura surpreendeu ao escalar Gilson no lugar do poupado Pimpão. Com um segundo lateral-esquerdo, o time saiu do 4-3-1-2 para um 4-3-2-1, mas a dobradinha que já deu certo no ano passado (só que com Diogo Barbosa) ainda não surtiu o mesmo efeito em 2017. O ala não entrou no mesmo ritmo dos demais e errou passes e finalizações. O time só melhorou com as mexidas no segundo tempo e a mudança de tática.



Formação com Gilson improvisado no meio não funcionou (Foto: Giuliano Gomes/Agência PR Press)


FANTASMA CONTINUA

Pelo segundo jogo seguido, o Botafogo sofreu gols de bola parada. Assim como Barrios, do Grêmio, eliminou o Alvinegro da Libertadores na última quarta-feira, neste domingo Werley também achou espaço na marcação alvinegra por zona. Mas desta vez não fez tanto estrago, já que o time buscou a virada. Já são 13 gols levados de faltas indiretas ou escanteios dos 20 sofridos em chuveirinhos na temporada.


GATITO X PÊNALTIS
O goleiro paraguaio já tinnha um aproveitamento espantoso nos pênaltis, e mesmo assim ele consegue melhorar sua marca. Neste domingo, pegou a cobrança de Thiago carleto e defendeu o oitavo de 13 pênaltis batidos contra ele em 2017. Um aproveitamento de 61,5%. É realmente um monstro no desafio da marca da cal, só não teve uma tarde perfeita porque aceitou a cobrança de falta do próprio Carleto depois.


AGENDA
O Botafogo volta a campo no próximo domingo, quando receberá o Vitória às 11h (de Brasília), no Nilton Santos.


ATUAÇÕES

Gatito [GOL]: 6,5
Arnaldo [LAD]: 7,0
Carli [ZAG]: 7,0
Igor Rabello [ZAG]: 6,5
Victor Luis [LAE]: 6,0
Matheus Fernandes [VOL]: 5,5
(Marcos Vinícius [MEI]): 6,5
Bruno Silva [VOL]: 7,0
(Dudu Cearense [VOL]): 6,0
Lindoso [VOL]: 6,0
João Paulo [MEI]: 7,5
Gilson [MEI]: 5,0
(Guilherme [ATA]): 7,0
Roger [ATA]: 7,0


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Curitiba

sábado, 23 de setembro de 2017

Pe$o no bol$o: Botafogo lucra mais do que marketing de 2016 só com a Libertadores


Participação rendeu R$ 25,7 milhões, cerca de R$ 1 mi a mais do que receita de publicidade e venda de atletas no ano passado. Vice financeiro cita importância do torneio em 2018: "Ano mais apertado"






A Libertadores acabou precocemente para o Botafogo nas quartas de final, mas vai ser difícil esquecer a campanha alvinegra. Tanto em campo, pelos grandes jogos e festas da torcida, quanto no bolso: só com os 14 jogos disputados no torneio, de fevereiro a setembro, o clube teve uma receita bruta maior do que obteve com marketing e venda de jogadores nos 12 meses da temporada de 2016.


Ao todo, o Alvinegro recebeu cerca de R$ 13,5 milhões em premiações desde a Pré-Libertadores, mais um lucro de R$ 12.295.035,00 da bilheteria de 222.817 pagantes nas sete partidas como mandante no Nilton Santos. Somadas as fontes de renda, o valor ficou aproximadamente em R$ 25,7 milhões. Um milhão a mais do que a receita de marketing do ano anterior e quase três vezes o patrocínio master da Caixa Econômica Federal para 2017 (R$ 10 milhões).


Em 2016, segundo balanço financeiro do clube, o Botafogo arrecadou R$ 14.515.000,00 com publicidade, patrocínio, locação e participação – incluindo vendas de jogos para outras praças e aluguel de General Severiano para a Áustria nos Jogos Olímpicos. Com mais R$ 1.256.411,08 do programa de sócio-torcedor e R$ 9 milhões da venda de Ribamar para o Munique 1860, da Alemanha, o total ficou em R$ 24,7 milhões – sem considerar cotas de TV.



Botafogo teve R$ 12,2 milhões só com bilheteria em sete jogos no Nilton Santos (Foto: Thiago Lima)

Claro, há uma diferença do valor bruto para o líquido, que de fato entra nos cofres do clube. Dos R$ 25,7 milhões da Libertadores se descontam as despesas de logísticas com as viagens, as penhoras judiciais sobre bilheterias, repasse para abatimento de dívidas e pagamento de bichos por classificação – a diretoria dividia os prêmios com o elenco e comissão técnica.


A Libertadores proporcionou esse lucro todo mesmo sem ir à final. Se tivesse passado pelo Grêmio, se vingasse contra o Barcelona de Guayaquil e chegado até à grande decisão, seriam pelo menos mais R$ 8,6 milhões garantidos só de premiação, ou R$ 13,2 milhões em caso de título. Isso sem contar a bilheteria de mais dois jogos em um Nilton Santos lotado.


Não há como negar a importância da Libertadores para a saúde dos cofres de General Severiano, segundo o vice-presidente financeiro do Botafogo, Luiz Felipe Novis. O dirigente cita que uma nova classificação poderá ajudar o clube a respirar em 2018, ano que promete ser mais complicado, principalmente devido ao aumento das parcelas do Profut e do Ato Trabalhista.



Luiz Felipe Novis espera voltar à Libertadores em 2018 para ajudar nas finanças (Foto: Thiago Lima)


– Realmente é um torneio importante, que paga prêmios interessantes, tem uma bilheteria positiva, isso fora o prestígio da marca, que atrai patrocinadores e tudo mais. E se torna ainda mais importante em um ano onde reconhecidamente será mais apertado em termos financeiros – disse Novis, que explicou estar elaborando o orçamento de 2018 sem prever a Libertadores.


– Na elaboração do orçamento para 2018 estamos sendo extremamente conservadores e não estamos considerando qualquer tipo de premiação, seguindo orientação do presidente, Carlos Eduardo Pereira, e com a concordância do vice geral, Nelson Mufarrej. Mas a expectativa é bastante grande do próprio time, torcida e diretoria de garantir a classificação para o ano que vem.


O orçamento de 2017 também foi previsto sem o fator da classificação para a Libertadores, o que só foi confirmado na última rodada do Campeonato Brasileiro do ano passado. Desta forma, toda a receita que entrou através do torneio foi um extra que permitiu o pagamento de bichos e contratações pontuais, como a do chileno Valencia, sem comprometer as contas do clube.


Fonte: GE/Por Thiago Lima, Rio de Janeiro

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Jogadores do Botafogo admitem "gostinho de quero mais" e projetam volta à Liberta


Mosaicos, estádios cheios, clima de final... Ingredientes seduzem alvinegros, e João Paulo, Victor Luis, Gatito e Pimpão reforçam confiança em vaga: "É clube para jogar a Libertadores, como nós vimos"





Mosaicos, festas, grandes jogos... Libertadores vai deixar saudades (Foto: Satiro Sodré / SSpress / Botafogo)


Estádios cheios, mosaicos, ingressos e copos personalizados, clima de final a cada jogo... A Libertadores vai deixar saudades não só nos torcedores, como também entre os próprios jogadores. Em General Severiano ou Nilton Santos, nunca foi proibido admitir que disputar o principal torneio da América do Sul tinha uma sensação diferente.


E agora, após 14 jogos eletrizantes e a dolorosa eliminação nas quartas de final para o Grêmio, os atletas alvinegros não escondem que ficou um "gostinho de quero mais". Como por exemplo Pimpão, que aguçou sua veia goleadora na Libertadores e se tornou o maior artilheiro do clube na história do torneio com cinco gols, empatado com Jairzinho e Dirceu na década de 70.


– Do tanto que a gente lutou, batalhou para chegar onde chegou, nós não merecíamos sair como saímos. Mas de cabeça erguida, é pensar no Brasileiro para conquistar a vaga novamente. Porque o Botafogo é clube para jogar a Libertadores, como nós vimos – disse o atacante.


– Temos que buscar de novo, vamos batalhar para conseguir essa classificação, estamos pertos, não abandonamos o Brasileiro. É gratificante ver um grupo como esse, estar disputando uma Libertadores com homens, com jogadores que lutaram do início ao fim.

Gatito se consagrou na Libertadores e virou titular do Botafogo até com a volta de Jefferson (Foto: Reprodução)Gatito se consagrou na Libertadores e virou titular do Botafogo até com a volta de Jefferson (Foto: Reprodução)Gatito se consagrou na Libertadores e virou titular do Botafogo até com a volta de Jefferson (Foto: Reprodução)
Outro que teve enorme destaque na Libertadores e se valorizou foi Gatito Fernández. O goleiro paraguaio brilhou em vários jogos, em especial na classificação do Alvinegro para a fase de grupos após superar o Olimpia, do Paraguai, na disputa por pênaltis: ele defendeu três cobranças.


– Todos não davam nada por nós, e chegamos até esta fase, vencendo adversários grandes, com histórias. A gente vinha fazendo um bom campeonato na Libertadores, mais uma vez o time mostrou que tem muita qualidade. Estamos tristes, mas orgulhosos do grupo. Temos que levantar a cabeça e continuar buscando o lugar mais alto no Brasileiro, e novamente no ano que vem poder estar na Libertadores – projetou o goleiro.


Victor Luis disputou sua primeira Libertadores. O lateral-esquerdo estava no Palmeiras durante a participação do Alviverde no torneio do ano passado, porém, não entrou em campo nenhuma vez. A oportunidade apareceu no Botafogo, onde o ala disputou 13 das 14 partidas do Alvinegro na competição e correspondeu. Apesar do futuro ainda incerto no clube, ele quer voltar ao torneio.




– Nosso objetivo é classificar novamente porque sabemos que podemos. A equipe tem que se fortalecer cada vez mais, mostrar nossa força e classificar de novo, pois é onde o Botafogo merece estar – destacou um emocionado lateral, que elogiou o plantel.


– Esse grupo aqui é de homens, de guerreiros. Temos orgulho de olhar para o lado, de trabalhar com cada um aqui dentro. Perdemos a batalha? Perdemos, mas o que nos dá ânimo é ter um companheiro forte do lado Temos que nos dar as mãos e continuar firmes e fortes.


João Paulo foi o maior investimento do clube para a Libertadores (Foto: Thiago Lima)João Paulo foi o maior investimento do clube para a Libertadores (Foto: Thiago Lima)João Paulo foi o maior investimento do clube para a Libertadores (Foto: Thiago Lima)
Maior investimento do Botafogo para a Libertadores, João Paulo, contratado por R$ 3 milhões junto ao Santa Cruz, também ficou marcado pela garra na competição, terminando por vezes os jogos com ferimentos e toucas de natação na cabeça. O volante, que vem sendo improvisado como meia, pediu desculpas ao torcedor pela eliminação, mas já vislumbra a chance de retornar ao torneio.


– Fica o nosso pedido de desculpas ao torcedor, a gente também queria muito passar para a semifinal. Era muito possível, a gente enxergava isso. Mas já foi feito um trato no vestiário para buscar a Libertadores em 2018. É possível, estamos bem colocados e temos jogado bem.



O Botafogo pode sonhar com a Libertadores? Claro, afinal, o time é sétimo colocado no Campeonato Brasileiro e já está na zona de classificação para a competição do ano que vem – apesar de ser G-6, como Flamengo ou Cruzeiro, ambos na frente do Alvinegro na Série A, conquistará a Copa do Brasil, uma vaga a mais se abre.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima, Porto Alegre